sábado, 15 de janeiro de 2011

0

Espaço Porta Curtas

O Teu Sorriso

Gênero Ficção
Diretor Pedro Freire
Elenco Juliana Carneiro da Cunha, Paulo José
Ano 2009
Duração 19 min
Cor Colorido
Bitola HDV
País Brasil
Local de Produção: RJ





Ficha Técnica
Produção Jurubeba Produções
Co-produção DM Filmes
Roteiro Pedro Freire
Direção de Arte Raissa de Góes
Trilha original Pedro Sá
Edição de som Yan saldanha, Ives Rosenfeld
Direção de produção Mariana Carneiro
Produção Executiva Pedro Freire
Apoio Videofilmes
Direção de Fotografia Andrea Capella
Montagem Livia Arbex, Moema Pombo
Música Pedro Sá
Estúdio de Mixagem Estúdio Casa de Som
2º Assistente de Direção Marcelo Grabowsky
1º Assistente de Direção Carol Durão

Prêmios
Melhor Filme de Ficção no Curta Cinema - Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro 2009
Melhor Atriz no Festival de Gramado 2009
Prêmio aquisição Canal Brasil no Festival de Gramado 2009
Prêmio da Crítica no Festival de Gramado 2009

Festivais
Festival de Cinema de Veneza 2009
Festival do Rio 2009
Goiânia Mostra Curtas 2009
Janela Internacional de Cinema do Recife 2009
Mostra CINE BH 2009

Fornecedor das Informações

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

0

Opinião

Outros tempos

Nathalia Cavalcante
Fotos: Divulgação
Numa conversa com uma pessoa que tenha nascido há pelo menos 50 anos é possível observar que muitas atitudes mudaram. Os jovens daquele período estavam integrados na luta contra um governo autoritário que impunha regras adversas aos ideais daquela geração. A persistência durou 21 anos, deixando para trás uma história de morte e torturas. O lema era: O povo unido, jamais será vencido! Abaixo a ditadura! Traumas que agora são lembrados como um obstáculo, para a conquista do objetivo.
Depois de tantos anos, a geração mudou. Vieram novas lutas. Alunos e professores enfrentaram uma cavalaria em prol de melhorias para a classe docente. Greves nas escolas, e lá estavam os jovens para reivindicarem os seus direitos e de seus mestres. Pintar o rosto, nem sempre é para ir a uma festa ou pular o carnaval, também pode ser sinônimo de protesto. Até um impeachment ocorreu, com o apoio dos estudantes.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

0

Tá na trilha!

Vamos curtir a vida!
Nathalia Cavalcante

O filme que marcou os adolescentes da geração 80 marcou também pela trilha sonora. Curtindo a vida adoidado (Ferris Bueller's Day Off) traz em uma das cenas, que diga-se de passagem, top do filme, “Danke Schoen”, interpretada por Wayne Newton e “Twist And Shout”, The Beatles. Ferris Bueller não é um típico estudante da High School. Ele quer mais é curtir a vida. Seu lema: A vida passa depressa, por isso quem não aproveita não acaba vivendo. Agora, a segunda parte da sequência com “Twist And Shout” completa! Salve Ferris!


0

Valorizando a Arte!

Cinema, uma paixão

Nathalia Cavalcante
Foto: Arquivo pessoal

A infância de Salvatore di Vita, o Totó de Cinema Paradiso, filme de 1988, do diretor Giuseppe Tornatore, é muito parecida com a infância de Estevão Furtado, atual analista numa multinacional automotiva. Ele, um fã do cinema, assitia aos filmes da sala de projeção do Cine Emacite, em Mafra, onde um parente seu trabalhava. Mesmo assim, não deixava de frequentar na cidade vizinha, em Rio Negro, os Cines Rio Negro e Cine Marajá, onde também costumava ir com os amigos.
“Lawrence da Arábia”, de David Lean, é o filme o qual realmente guarda com mais detalhes. As atuações de Antonhy Quinn, Omar Sharif e Peter O’Toole ficaram marcadas em sua memória, pois eram muito comentados por sua mãe, que também era apaixonada por cinema e música, além de ser uma grande incentivadora. Esta foi uma das razões que o fez um admirador da sétima arte. “Ela comentava a respeito dos atores e das músicas que eram temas dos filmes”, reforça Estevão. “Candelabro Italiano”, de 1962, é um dos filmes que sua mãe lembrava pela música. A produção de Delmer Daves traz a canção Al di là (Além), interpretada pelo próprio compositor Emilio Pericoli. “Casablanca”, “...E o Vento Levou” e “Juventude Transviada”, também estavam na lista.
0

Na poltrona!

Ditadura Militar

Texto: Nathalia Cavalcante
Fotos: Adoro Cinema

O longa-metragem de 110 minutos de Cao Hamburguer, O ano em que meus pais saíram de férias, se passa durante a ditadura militar. Conta a história de Mauro, um garoto de 12 anos que é apaixonado por futebol e jogo de botão. Os pais dele são obrigados a deixá-lo com o avô paterno para fugirem devido a esse regime. No entanto, para o menino eles saem de férias, repentinamente. Apesar de o filme ser retratado durante o período de repressão, o enredo é leve e comovente. A copa de 1970 é um dos cenários e a partir disso, mostra os momentos alegres de Mauro que está longe dos pais. O filme de 2006 contou com a atuação de Paulo Autran, a penúltima dele nas telonas.
0

Cena clássica

La dolce Vita
Uma das mais belas cenas do cinema mundial. A cena em que Sylvia Rank, personagem de Anita Ekberg, se encanta pela Fontana di Trevi e convida Marcello Rubini, vivido por Marcello Mastroianni a eternizar esta famosa sequência. O longa, de Federico Fellini, foi lançado em 1960.


0

Cinema Comentado

Análise de Cabra marcado para morrer

Nathalia Cavalcante

Cabra marcado para morrer, de Eduardo Coutinho, apresenta uma narrativa não-linear. Isso se deve pelo fato do documentário resgatar, em diversos momentos, passagens anteriores, já gravadas. Além disso, mostra imagens paralelas ao filme como, por exemplo, o último comício liderado por Elizabeth Teixeira, após a morte de seu marido, João Pedro Teixeira. Idealizado, primeiramente, como um longa-metragem incluindo atores não profissionais, mas que contribuiriam por estarem acostumados com aquela realidade, por serem moradores da região, na época. Lembrando que Elizabeth representaria sua própria vida, sendo a única personagem “real”.
O enredo pretendia contar a história do líder da liga camponesa de Galiléia, Pernambuco, João Pedro Teixeira. A liderança de João chegava ao fim em 1962, quando foi assassinado numa emboscada desempenhada por policiais militares e um vaqueiro. Os autores não foram condenados.